Blog

Roer as unhas e objetos pode trazer males à saúde bucal

por | dez 19, 2018 | Mastigação | 0 Comentários

Roer unhas, morder tampa de caneta e abrir coisas com os dentes são hábitos bem comuns, mas não é porque um grande número de pessoas faz isso que não tenha problema. Pelo contrário, morder ou mastigar objetos duros impacta negativamente a saúde dos nossos dentes, você sabia?

Embora eles sejam fortes e resistentes, sua estrutura não é adequada para suportar agressões como essas, porque acontece uma pressão sobre eles que provoca danos e lesões. E não é só isso, porque outras complicações também se manifestam por causa desse tipo de comportamento.

Para que você cuide melhor do seu sorriso e não coloque sua saúde em risco, preparamos este artigo explicando o que pode acontecer quando cultivamos esses hábitos. Continue lendo e veja como é importante evitá-los.

Como roer as unhas impacta nossa saúde bucal

Nossos dentes conseguem suportar muitas situações, mas isso não significa que eles sejam imbatíveis. Embora muito fortes, também sofrem danos e agressões quando submetidos a esforços que não estão de acordo com sua estrutura, frequência ou composição.

O ato de roer unhas, por exemplo, pode parecer inofensivo, mas provoca uma concentração de forças e com isso uma grande sobrecarga sobre a estrutura dentária. Ela não consegue suportar essa pressão e a os dentes são danificados por isso.

O mesmo acontece quando mordemos objetos duros, como lápis, caneta, palitos, pedaços de plástico e outros. O esmalte dentário é prejudicado e os dentes ficam suscetíveis a diversas doenças e problemas bucais.

Veja a seguir quais complicações são decorrentes desses hábitos:

Desgaste do esmalte

O esmalte dentário é uma estrutura mineral que pode sofrer desgaste quando submetida ao atrito. É justamente o que acontece quando roemos as unhas ou mordemos algo duro demais. Esse contato dos dentes com a superfície do objeto faz com que o esmalte perca aos poucos sua estrutura.

Trata-se de um processo mecânico semelhante ao de uma lixa. Conforme os dentes e o objeto se tocam um desgasta o outro, então, o dente perde seu formato, fica assimétrico e a dentina (parte sensível do dente) mais exposta.

Trincas

O dente também pode ficar trincado por causa da força excessiva praticada pelo maxilar para morder o objeto. Como ele é muito duro, é o esmalte dentário é que amortece a pressão, e se ela for muito grande, ele acaba trincando.

Fraturas

Mas o dente pode não ficar apenas trincado, e sim quebrar. A trinca é somente uma rachadura, digamos assim, mas a fratura é a perda de parte do esmalte. Se isso for superficial, as agressões ao dente são menores, mas se a quebra for extensa, a parte nervosa do dente fica exposta e provoca muita dor.

Fissuras

Além de problemas que podem ser vistos a olho nu, que são as trincas e fraturas, roer unhas também pode abrir fissuras no dente. Mais discretas, elas nem sempre impactam a estética, mas causam complicações para a saúde bucal.

Um dente fissurado permite a entrada de alimentos e substâncias em suas estruturas mais internas. Com isso, além de aumentar a sensibilidade também existem maiores chances de problemas endodônticos se manifestarem.

Complicações orgânicas causadas por roer as unhas

Como se não bastassem os problemas bucais que roer unhas e morder objetos pode causar, ainda temos complicações orgânicas em função desses hábitos. Afinal, tanto as mãos como os objetos estão em contato com tudo ao seu redor e podem acumular bactérias e vírus.

Quando entram em contato com a mucosa bucal eles adentram o organismo e causam vários problemas de saúde, com os gastrointestinais e respiratórios. Até mesmo infecções e gripes podem ser contraídas assim. Por isso, o ideal é que você evite esse hábito policiando a si mesmo.

Roer unhas pode estar relacionado com ansiedade e outros transtornos psicológicos, então, se não conseguir parar sozinho procure a ajuda de um profissional. Mas você pode tentar, antes, usar produtos específicos para deixar as unhas com um sabor ruim para inibir o comportamento. E não se esqueça de consultar um dentista para que ele observe se seus dentes já não estão precisando de ajuda.

Dr Marcos Ney Pizzocolo apex odontologiafaixa-apex-odontologia

Por Dr. Marcos Ney Pizzocolo

Formado pela Universidade Paulista – UNIP – em 1995 e pós-graduado em especialização de prótese dentária. Atua na área de estética, implante, cirurgia oral e reabilitação oral.

faixa-apex-odontologia

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco